domingo, 20 de março de 2011

Se calhar não é nada disto


Na última aula de português a professora pediu-nos para fazermos uma composição. Composição essa que tinha que ser uma página do nosso diário contendo uma descrição de um lugar onde tinha acontecido alguma coisa importante para nós. Depois de eu acabar a minha, fiquei a observar todos os meus colegas enquanto escreviam e questionei-me se haveria alguém que tivesse realmente um diário. Perguntei isso a toda a turma. E só uma é que teve, acho eu, a coragem de dizer que tinha um diário. Apesar de por vezes escrever muito e depois passar semanas sem apontar a mínima coisa. Fiquei com a sensação de que até haveria mais pessoas, raparigas, claro está, que tivessem um diário, mas por qualquer motivo tiveram vergonha de o dizer. Eu cá acho que não tem mal nenhum, nem é uma coisa infantil. Simplesmente é um bloco onde podemos escrever o que nos apetece, o que aconteceu naquele dia, os nossos pensamentos ou até textos sobre qualquer coisa que nos veio à cabeça. Até eu, naquela aula, não admiti que tinha um, mas tenho. Tenho um caderno preto onde escrevo os meus pensamentos sobre as mais variadas coisas, mais precisamente sobre pessoas, sobre a minha vida, acaba por ser a minha maneira de reflectir sobre os assuntos e acho que só me faz é bem. Também tenho a minha agenda onde aponto tudo o que faço todos os dias, o meu bloco de notas onde escrevo as coisas que não me posso esquecer, ideias repentinas ou onde ainda colo os bilhetes de sítios onde que fui. E por fim, este blog, onde escrevo as mais variadas parvoíces. Cada coisa no seu sítio, porque há coisas que podem (e devem ser partilhadas), outras que não devemos esquecer e outras ainda que devem ficar num sítio só para nós. Guardadas e trancadas a sete chaves.

1 comentário:

Manuela disse...

Querida Lady C, cada vez mais, fico maravilhada com a tua escrita :)
Beijinhos.